Conselho do Francisco Figueiredo em Aquidabã recusa implantação do Ensino Médio em Tempo Integral

Escrito por Caroline Santos Ligado .

Por unanimidade, o Conselho Escolar do Colégio Estadual Francisco Figueiredo recusou a implantação do Ensino Médio em Tempo Integral.

A reunião aconteceu na quarta, dia 15, e todos os representantes de segmento apontaram a impossibilidade da escola se transformar em uma unidade com ensino médio em tempo integral. A exemplo da escola Maria Rosa Oliveira em Tobias Barreto e Murilo Braga em Itabaiana, o perfil do alunado não é o adequado a esta modalidade de ensino.

“A exemplo de outros municípios, os estudantes do Francisco Figueiredo exercem outras atividades no horário em que não estão na escola, seja para o cuidado com irmãos mais novos em casa ou em atividades laborais, no campo e na cidade. Por isso é extremamente complexo eles ficarem todo o dia na escola. A realidade socioeconômica de cada unidade de ensino deve ser avaliada pela Secretaria de Estado da Educação, mas, pelo visto a SEDUC não tem feito este papel”, afirma o professor José Vanderlei Santos Silva, coordenador geral da subsede Baixo São Francisco I.

A escola atualmente oferece vagas para as séries finais do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano) nos turnos matutino e vespertino e Ensino Médio nos três turnos.
A falta de diálogo com a comunidade escolar foi tão explícita neste caso que a diretora da escola, professora Rozângela Santos, na sexta, dia 17, solicitou exoneração e entregou o cargo de gestora na Diretoria Regional de Educação 06 (DRE’6).

E, como tem sido desde o início, o SINTESE afirma sua posição contrária a forma como a Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura – SEDUC tem se utilizado para implantar a modalidade na rede estadual. “Defendemos o Ensino Médio em Tempo Integral, mas não com a metodologia apresentada pela SEDUC”, finaliza Vanderlei.